Crise financeira internacional por Roger Agnelli (Presidente da Vale)

06nov08
Reuters

Imagem: daylife.com - crédito:Reuters

O presidente da Vale, Roger Agnelli, afirma que a empresa passou os últimos anos reduzindo despesas e treinando pessoas e, por esse motivo, está prepara para o “inverno” econômico. Agnelli – que voltou recentemente de uma viagem pelo Canadá, África e Europa – diz que se sentiu revigorado ao perceber que as minas da Vale e a própria economia real continuam funcionando bem apesar da crise.

O executivo admite que revendedores de minério e as siderúrgicas passam por um momento de desestocagem. Sem ter acesso ao crédito, essas empresas precisam gerar liquidez e vender produtos a qualquer preço. Ele acredita, no entanto, que esse movimento será revertido em breve e que, com paciência, será possível conseguir o reajuste de 12% para o minério de ferro vendido à China.

Veja a seguir os principais trechos da entrevista exclusiva concedida por Agnelli a EXAME:

EXAME – O senhor acaba de chegar de um giro mundial por Canadá, África e Europa para sentir o ambiente internacional. Com quem o senhor falou e qual o resultado da viagem?

Roger Agnelli – Quando a gente fica aqui sentado, olhando as coisas acontecerem, você sente a crise de forma mais intensa. Quando você sai para ir aos lugares onde realmente estão acontecendo, você volta com o pensamento completamente diferente. Por exemplo: eu estava aqui há um mês, o mercado com aquele nervosismo, aquela coisa toda, e o mundo vai acabar, etc. O que eu fiz? Fui embora para Carajás. Fui ver as operações e toda a parte de desenvolvimento sustentável, a parte de projetos sociais que a gente está desenvolvendo lá nas áreas de Carajás e quando eu volto, eu volto completamente diferente, revigorado.

EXAME – Só que aí depois você foi para a Europa e para o Canadá.

Agnelli – [risos] Eu sei. O mercado já ia ajustar. Aí que fui ver as operações em Minas Gerais e vi um projeto que a gente vai inaugurar agora no final de ano, que é Itabirita, uma pelotização gigantesca, mais de um bilhão de dólares foram investidos ali. Quando você olha isso, você fala: “gente, o mundo existe”. Aí eu voltei. Aí eu fui para o Canadá. Conversei com o pessoal, vi como estavam os clientes, vi como estava o mercado, como é que estavam as perspectivas, os investimentos. Passei em Nova York, fiz uma reunião com a Exxon e a IBM, conversamos um pouco sobre o mercado, recursos naturais.

EXAME – São clientes?

Agnelli – Não, esses são amigos. Conversamos bastante, vendo as perspectivas.

EXAME – E o que eles falaram?

Agnelli – Todas as grandes empresas, principalmente as empresas de recursos naturais, a gente está sempre olhando em longo prazo. O que acontece no curto prazo, você tem de estar pronto para esse tipo de chacoalhada nos mercados. Aí de Nova York eu fui embora para Moçambique, vi o projeto de carvão e os projetos sociais de Moçambique. O ponto todo é que de onde eu estava, eu ligava para ver se ainda a Baía de Guanabara estava aqui, se Ipanema existia. E todo dia eles diziam que Ipanema existia e que a Baía de Guanabara continuava aqui. A questão toda de crise, a questão do que está acontecendo nos mercados hoje é que se você ficar muito fechado, muito interno, você acha que é o fim do mundo. Se você sair e ver que o mundo ainda continua existindo e que isso é uma fase de curto prazo, que a gente vai ter de passar por ela, que é uma ajuste que a gente tem de passar, eu acho que fica tudo mais fácil de você interpretar.

EXAME – Mas no Canadá, na Europa o cenário foi de redução de demanda ou não?

Agnelli – O cenário do mundo inteiro, todos os setores de atividade é um cenário de crise. Ninguém vai passar ao largo disso. Isso é uma realidade que todo o mundo tem de encarar.

Leia entrevista completa da repórter Malu Gaspar no Portal da revista Exame do dia 31.10.2008 – Link

Leia mais sobre a crise financeira internacional aqui no blog:

28.10.2008: Crise financeira internacional por Carlos Ghosn, o brasileiro presidente da Renault-Nissan

27.10.2008: Crise financeira internacional por Cledorvino Belini (Fiat)

27.10.2008: Crise financeira internacional por Marlin Kohlrausch (Calçados Bibi)

23.10.2008: Crise financeira internacional por Joel Malucelli (Grupo J. Malucelli)

23.10.2008: Antagonismo na publicidade brasileira: Fabio Fernandes vs. Nizan Guanaes no MaxiMídia

17.10.2008: Warren Buffet: “Seja medroso quando todos são gananciosos e ganancioso quando todos são medrosos”

13.10.2008: Crise financeira internacional por F/Nazca Saatchi & Saatchi

12.10.2008: Crise financeira internacional e o Brasil por Stephen Kanitz

12.10.2008: Vídeo: governo Lula e a crise financeira internacional por Arnaldo Jabor

09.10.2008: Relógio da Dívida Nacional americana ultrapassa os US$ 10 trilhões

03.10.2008: Financiamento de carros: a diferença entre Brasil e EUA em meio à crise

14.04.2008: Entenda o Subprime. Um mercado estúpido e ganancioso dos EUA

04.04.2008: A economia chinesa vai desacelerar?

27.01.2008: Brasil: Demanda interna é o que interessa

Anúncios


One Response to “Crise financeira internacional por Roger Agnelli (Presidente da Vale)”


  1. 1 Marcas de empresas que enfrentam a crise financeira! « Téo Costa - Webdesigner ATer - www.teo.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: