Panorama do mercado de distribuição de combustíveis no Brasil

07out08

Excelente reportagem do jornal Gazeta Mercantil desta terça-feira com dólar ultrapassando os R$ 2,30 e a Bovespa ladeira abaixo.

Mesmo com a concentração de mercado em poucos players e os problemas em trabalhar com margens apertadas, algumas distribuidoras regionais de combustíveis como a Petrosul, Latina e MegaPetro estão conseguindo um “lugar ao sol”, na base de uma administração competente e com custos sobre forte vigília.

A Petrosul por exemplo vem conseguindo expandir seu mercado para além do estado de São Paulo com muita competência e com um quadro gerencial de primeira linha.

Uma empresa regional que trabalha com uma marca, igualmente regional, conseguir expandir seu mercado competindo com BR Distribuidora, Esso, Texaco, Shell e assim mesmo fechar este ano de 2008 com um faturamento ao redor de R$ 1,5 bilhões, é algo para se orgulhar principalmente pelo fato dela ser 100% nacional. A matriz da empresa fica em Sorocaba no interior do estado de São Paulo.

Afinal, um grupo de 7 empresas controlam 80% do mercado ficando para o restante, algo como 250 distribuidoras de combustíveis, a outra parte, os 20%.

Mesmo um especialista dizendo que as pequenas distribuidoras não competem diretamente com as grandes, é certo de que as estratégias de mercado precisam ser certeiras e sem possibilidades de erro, pois os produtos comercializados possuem um alto valor agregado que é o caso de combustíveis.

Segundo o diretor comercial da Petrosul, a empresa aposta em seu Programa de Fidelizaçãopara avançar de maneira agressiva no mercado brasileiro. A estratégia, diz Pereira da Silva, é promover o “bandeiramento” de postos já existentes e que não são vinculados a nenhuma marca, conhecidos como “bandeira branca“.

“Colocamos a marca Petrosul nos postos sem adquiri-los e, dessa forma, conseguimos aumentar o volume de vendas e a divulgação da marca Petrosul aos consumidores finais”, afirma Pereira da Silva.

“Esse tipo de aquisição não faz parte da nossa estratégia, pois entendemos que os melhores gestores dos postos são seus atuais operadores”, afirma o executivo, que prevê “bandeirar” 100 postos por ano.

Hoje, segundo a ANP, dos 35 mil postos instalados em território nacional, 15 mil são de bandeira branca.

Com faturamento anual estimando em R$ 162 bilhões, o segmento de postos de combustíveis, e responsáveis pela geração de mais de 330 mil vagas de empregados, diretos e indiretos, além de registrar investimentos anuais de R$ 800 milhões.

Acrescentaria que com esta estratégia a necessidade de capital que é intensivo neste mercado fica mais brando do que a aquisição de redes de postos. E em momentos de crise como esta que estamos passando e com o crédito ficando mais caro e escasso faz todo sentido para as pequenas distribuidoras.

“As grandes vão atender o país como um todo e com grande escala. As regionais, por sua vez, se concentram em dois ou três estados. Portanto não há concorrência direta com as grandes”, afirma Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE).

Aliás, o diretor comercial da Petrosul, o sr. Ronald Pereira da Silva diz que a concentração e mercado é ruim para os consumidores.

“Esse movimento deixa o consumidor refém dos maiores preços, já que diminui as suas opções de compra. Mas, por outro lado, para a Petrosul, que está bem colocada no mercado, com o aumento da concentração a nossa participação também sobe, melhorando o posicionamento da empresa no mercado”, comenta Pereira da Silva.

Um outro dado importante citado na reportagem é o fator adulteração de combustíveis e sonegação de impostos.

Para o diretor comercial da Petrosul, “há um elevado número de distribuidoras atuando no Brasil, muitas delas incapacitadas de operar no setor”.

“Tem distribuidoras que não possuem quase nenhuma estrutura de armazenamento, controle de qualidade, logística e suporte de pós-venda, e que negociam combustíveis com margens mínimas, sem compromisso com o consumidor final”, reclama Pereira da Silva, para quem o mercado deveria atuar apenas com “50 empresas, em vez das 250 atuais”.

Leia reportagem completa com título:

Margem estreita não intimida pequenas

Petrobras oferece programa de melhoria de gestão

Leia também:

23.07.2008: Conheça os números que envolvem postos de combustíveis e lojas de conveniências no Brasil

10.07.2008: Distribuição de combustíveis: Grupo Petrosul adquire base na cidade de Assis

07.07.2008: O problema dos postos clonados em São Paulo

05.07.2008: Os custos para manter um carro aumentaram em 2008 no Brasil

09.05.2008: Calcule o que vale a pena: álcool ou gasolina

Anúncios


3 Responses to “Panorama do mercado de distribuição de combustíveis no Brasil”

  1. 1 mirian lino

    Gostaria de saber qual tipo de gasolina vcs distribuiem e qual a composição delas!

    desde de já agradeço vossa atenção e colaboração.
    Atenciosamente ,

    mírian Lino – consilium Amazonas consultoria ltda

  2. Olá Miriam,

    o post e o próprio blog Estratégia Empresarial é de notícias diversas, não comercializamos nada por aqui.

    Abraços


  1. 1 Distribuição de combustíveis: Petrosul entre as maiores do País « Estratégia Empresarial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: