Inovação nos cinemas: Moviemobz lança no Brasil o Cinema On Demand.

02mar08

thumb_image_big_12018667531.jpg

Marco Aurélio Marcondes, Fabio Lima e José Eduardo Ferrão

O negócio, batizado de Cinema On Demand, não possui precedentes no mundo, segundo Marco Aurélio Marcondes, Diretor Geral da Moviemobz. As operações começam no segundo semestre deste ano.

Os consumidores poderão escolher entre filmes inéditos, raros ou clássicos e solicitar às salas de cinema que exibam o filme desejado quando e onde eles quiserem. Isso permitirá também que exibidores programem suas salas de acordo com o desejo de seus consumidores, melhorando a taxa de ocupação, a ampliação da receita, a fidelidade do público e a comunicação.

Os provedores de conteúdo, por sua vez, terão a chance de localizar e se comunicar com seus públicos facilmente, bem como valorizar os títulos de seus acervos, deixando assim mais lucrativa a indústria de filmes independentes. Com todos estes elementos, o “Cinema on Demand” cria um novo paradigma na comercialização em cinema.

A expectativa da MovieMobz é que o valor do ingresso seja semelhante ao preço médio cobrado nos cinemas comerciais. O acervo contará inicialmente com cerca de 200 filmes, entre novos e de catálogo. A solução encontrada para ter uma lista extensa de opções de títulos foi o licenciamento das produções, sendo que parte do resultado das bilheterias é rateado com o detentor dos direitos da obra.

“A indústria do entretenimento passa por mudanças revolucionárias, em função dos avanços da tecnologia, da internet e de novos comportamentos do consumidor”, comenta Fabio Lima, Diretor Executivo Global da Moviemobz.

Segundo eles, a oferta de títulos não é o problema. Pelo contrário, só Bollywood, a indústria de cinema da Índia, produz até 900 filmes por ano. No Festival Internacional de Cinema de Cannes são negociados cerca de 4,5 mil títulos por ano. No entanto, foram lançados apenas 350 títulos no Brasil em 2007.

Como qualquer outra distribuidora, a principal fonte de receita da Moviemobz será a participação na bilheteria do cinema, além de venda de espaço publicitário no próprio site.

“Para mim é voltar à minha raiz, o cineclubismo, porque as escolhas não serão feitas pelas razões mercadológicas que normalmente contam para o circuito exibidor, mas porque o público escolheu o que queria ver”, diz Marco Aurélio Marcondes, Diretor Geral da Moviemobz.

Uma das apostas dos sócios é que a taxa de ocupação da sala de cinema em uma sessão agendada nesse formato será maior. Hoje, estima-se que a taxa de ocupação média das 2.045 salas de cinema no Brasil seja de 22% ao ano. “O importante é termos a sala cheia. Se isso acontecer, o preço do ingresso poderá ser até menor”, afirma Ferrão. Segundo eles, o modelo da Moviemobz fará com que a distribuição do títulos seja até 15% mais barata do que a tradicional – já que o exibidor poderá trabalhar diferentes públicos na mesma sala de cinema.

“Com a Moviemobz e sua oferta de uma distribuição digital customizada ao gosto do público, nós estamos oferecendo uma resposta a estas mudanças. Pela primeira vez no mercado, novas oportunidades para toda a cadeia de valor do cinema serão disponibilizadas: consumidores poderão escolher conteúdos, exibidores terão mais eficiência na programação e licenciadores encontrarão seus públicos mais facilmente.”

Marco Aurélio Marcondes foi sócio do Consórcio Europa Filmes & MAM, Fabio Lima e José Eduardo Ferrão são fundadores da Rain Network, prestadora de serviços que digitaliza filmes e opera a exibição em redes de cinema que possuem projetores digitais compatíveis à tecnologia da Rain.

rain_network_logo1.jpgA criação desse modelo de negócio só foi possível por causa da Rain Network – mesmo com sócios em comum, Rain e Moviemobz são empresas independentes uma da outra. Criada em 2002, a Rain trabalha com 149 salas de cinema no Brasil que possuem projetores digitais. Além de outras 32 salas nos Estados Unidos e uma operação na Inglaterra.

A Moviemobz será um cliente da Rain. A Rain irá transformar os filmes comprados pela Moviemobz de película em um arquivo digital e irá operar a exibição do título nas salas digitais. Lima e Ferrão acreditam que a demanda criada pela Moviemobz fará com que os exibidores invistam em equipamentos digitais – principalmente de cidades do interior. Eles prevêem fechar o ano com 50 novas salas integradas à tecnologia Rain.

A Rain já estuda o mercado latino americano também, principalmente o argentino. A idéia é levar as operações da Rain e da Moviemobz para alguns países vizinhos em 2008.

Via

Leia mais no JB Online:

07.08.2008: Projeto MovieMobz programa segunda semana de sessões mobilizadas.

31.07.2008: Projeto MovieMobz realiza as primeiras sessões a partir deste sábado.

Anúncios


3 Responses to “Inovação nos cinemas: Moviemobz lança no Brasil o Cinema On Demand.”

  1. Please adsvise us the name/email address of Moviemobz’s
    acquisitions director.
    Thank you,
    The Film Source

  2. Hi Alex,

    to contact the company through the site visit;

    http://www.rain.com.br/FaleConosco/Pages/default.aspx

    Regards,

  3. Deae Alez,

    Please contact Clarisse Goulart at Moviemobz in cgoulart@moviemobz.com

    Regards

    Marco Aurelio Marcondes
    mam@moviemobz.com


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: